2021: ARQUIDIOCESE DE BH CELEBRA CENTENÁRIO E DEZ ANOS DE DIACONATO PERMANENTE

No mesmo dia em que a Arquidiocese de Belo Horizonte comemora um século de fundação, o diaconato permanente chega a cem ministros ordenados a serviço do povo de Deus. No dia 11 de fevereiro, às 19h30min, o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte e presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, ordena sete diáconos permanentes. A celebração será na Catedral Cristo Rei.

   Os novos diáconos serão Fábio de Brito Gonçalves, Gius Carlos Soares Rocha, Márcio Assunção de Paula, Marcos Daniel Machado, Normando Martins Leite Filho, Paulo de Tarso da Silva Reis e Rubens Pereira de Lima. A celebração também recordará os dez anos da instituição do diaconato permanente na Arquidiocese mineira.

Na manhã do sábado, 1º de outubro de 2011, Dom Walmor ordenava os sete primeiros diáconos permanentes da Arquidiocese de BH: Carlos Roberto Cremonezi, Cid Sérgio Ferreira, Dimas Ferreira Lopes, Gilberto de Sousa, Giovani Pontel Gonçalves, Márcio Lopes Melo e Paulo Franco Taitson. A celebração histórica foi realizada na Paróquia Nossa Senhora das Dores, no bairro Floresta.

O diaconato foi instituído pelos apóstolos. Foram escolhidos homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria (cf. Atos 6). Eles tinham a missão de cuidar das viúvas, dos órfãos e dos pobres. No Ocidente, o ministério diaconal perdurou por mais quatro séculos. Aos poucos, foi se tornando apenas ministério de transição para o presbiterado.

Com o reestabelecimento do diaconato permanente pelo Concílio Vaticano II (1962-1965), a Igreja Católica definiu o ministério com grau próprio e permanente da hierarquia. Também estabeleceu regras teológicas e pastorais para que o diaconato se desenvolvesse de modo pleno. Em 1967, o Papa São Paulo VI promulgou as primeiras normas fundamentais para a formação dos diáconos permanentes, com a Carta Apostólica Sacrum Diaconatus Ordinem.

A Igreja particular de Belo Horizonte, movida pelo Espírito Santo e em comunhão com o magistério, instaurou o ministério diaconal, tomando como base os documentos da Igreja. Segundo o Documento 96 da CNBB, o diácono permanente, no ministério como Cristo servidor, vive a tríplice missão da caridade, da Palavra e da liturgia. Também na trajetória desses dez anos do corpo diaconal, em um processo evolutivo e fundamental, a participação das esposas dos diáconos.  Atualmente elas têm uma função importante na coordenação, organização e formação aos encontros vocacionais para o diaconato permanente na Arquidiocese.

Eles atuam no âmbito da caridade, cuidado dos pobres, daqueles que precisam mais, no âmbito da liturgia, celebração do batismo, assistência ao matrimônio, ajudando no altar, na celebração da Eucaristia, e no anúncio da Palavra, fazendo esse anúncio da Palavra sobretudo nas frentes missionárias, nos lugares onde nós precisamos estar presentes, para que todos tenham oportunidade de acolher o chamado para o seguimento de Cristo”, disse D. Walmor no dia da ordenação dos sete primeiros diáconos permanentes.

Por Alberto Carvalho – Pascom Diaconal Arquidiocese de Belo Horizonte

A Igreja particular de Mariana ordena 14 novos Diáconos Permanentes

Confirmando a diaconia na Igreja como verdadeira expressão da Sacramentalidade do serviço.

No último dia primeiro de novembro, do ano corrente, a Igreja particular de Mariana, sob o pastoreio de Dom Airton, celebrando todos os santos, realizou na Basílica do Sagrado Coração de Jesus, em Conselheiro Lafaiete, a celebração eucarística na qual foram ordenados 14 novos diáconos permanentes para servir a esta parte da Igreja situada na Primaz de Minas. Depois de um longo processo de preparação na Escola Diaconal São Lourenço, homens casados (exceto um deles que prestou o juramento celibatário para dedicar-se mais completamente ao serviço ministerial) assumiram o compromisso de expressar pela radicalidade do serviço o amor que tem a Deus e à causa do seu Reino.

Revigorada pelos ares conciliares, a Igreja redescobriu o valor ministerial da diaconia como expressão, por excelência, de uma Igreja toda ela ministerial. Constituída por homens e mulheres de todas as raças e línguas, batizados no nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, a Igreja assumia o serviço como autêntica expressão de amor e instrumento privilegiado para a construção do Reino de Deus. Recuperava, assim, antiquíssima prática que encontrava em Jesus o seu fundamento. Ele próprio nos indicou explicitamente sua condição pelo ato mesmo de servir: “Eu vim para servir, não para ser servido!!” (Mateus 20, 28). A atitude serviçal, pois, não é uma atitude subjetiva de cada cristão, um mero ato da vontade, como se estivesse em questão servir ou não servir. Trata-se de um imperativo cristão; de um proceder em relação aos outros, sobretudo aos mais pobres e necessitados, os excluídos da sociedade, que constitui um dos bens espirituais mais sagrados que Cristo nos confiou: servir como expressão de amor!

Na icônica cena de lava pés (João 13, 1-17) Jesus, depois de tirar o manto, atou uma toalha à cintura (à modo de um avental pois depois deu-se a si mesmo como alimento as seus) lavou os pés de seus discípulos e depois de colocar o manto proclamou: “Vocês me chamam de Mestre e Senhor, e dizem bem, pois EU SOU! Portanto, se eu assim o fiz, façam vocês também o mesmo. Dei-vos um exemplo a fim de que, assim como eu faço, vocês também o façam”!  Detalhe: o relato do Evangelho não diz que o Senhor retirou da cintura sua toalha, seu avental. Há nesta não referência uma evangélica intencionalidade: neste instante, em nome do EU SOU, Jesus “sacramentalizou” o serviço como o sinal permanente da doação de si à edificação do seu Reino de justiça, paz e amor. E assinou posteriormente este testamento, não com as letras da Lei, mas com seu sangue na cruz, na entrega total da vida doada como máxima expressão de quem ama e é fiel ao Pai, amando e sendo fiel aos pobres e marginalizados. Dessa forma, todo cristão que, não renunciando a cruz, perfaz o caminho do discipulado pelo serviço, é sinal visível da promessa feita por Cristo de estar conosco todos os dias até o final dos tempos. Pelo serviço, tornamo-nos alimento de esperança a quem tem fome do Reino de Deus.

Parabéns aos novos diáconos da Igreja Particular de Mariana e a todos os diáconos ordenados no Brasil afora pela Igreja Católica. São Lourenço os ensine sempre amar a Jesus com todo ardor e a entregar sua vida e ministério a serviço do Reino. Maria Santíssima, a mãe do serviço, apresente sempre a seu filho Jesus suas intenções e as intenções de vossas famílias, pois como bem sabemos, é a família, para o Diácono Permanente casado, o primeiro campo de sua missão. 

Diácono Robson Adriano

Presidente da Comissão Arquidiocesana dos Diáconos.