Candidatos ao Diaconato Permanente de BH são instituídos a Leitores e Acólitos

No último domingo, dia 22/11/2020, na Catedral Cristo Rei, em Belo Horizonte, foram instituídos no Ministério de Leitores e Acólitos sete candidatos ao Diaconato Permanente da Arquidiocese de Belo Horizonte.

São eles: Fábio de Brito Goncalves, Gius Carlos Soares Rocha, Márcio Assunção de Paula, Marcos Daniel Machado, Normando Martins Leite Filho, Paulo de Tarso da Silva Reis e Rubens Pereira Lima.

A celebração foi presidida pelo Bispo auxiliar Dom Vicente.

A ordenação diaconal está prevista para o mês de fevereiro/2021.

A CRDE Leste 2 parabeniza e intercede pela vida destes vocacionados.

Diácono permanente é eleito presidente do Conic-MG

O diácono permanente Amauri Dias de Moura, da Arquidiocese de Belo Horizonte-MG, foi eleito presidente do Regional Minas Gerais do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (Conic-MG). A Assembleia-Geral Ordinária e Eletiva do Conic-MG ocorreu na tarde de sábado, 7 de novembro. Devido às restrições da pandemia, a reunião foi realizada por videoconferência.

No encontro, foram avaliados também os relatórios de atividades e o parecer do Conselho Fiscal referente à gestão 2018 a 2020. A nova diretoria exercerá o mandato até 2022.

“Servir a todos e todas com a força das nossas Igrejas, com o específico de nossas Igrejas, o específico de nossos grupos, somados, irmanados, acolhendo essa diversidade como dom e compromisso”, declarou o Diác. Amauri.

Nascido em 6 de outubro de 1976, em Belo Horizonte, o Diác. Amauri foi ordenado em 18 de novembro de 2017.

 

Conheça a nova diretoria do Conic-MG:

Presidente: Diác. Amauri Dias de Moura (Igreja Católica Apostólica Romana)

Vice-presidente: Rev. Bernardino Ovelar Arzamendia (Igreja Episcopal Anglicana do Brasil)

1º secretário: Janett Alves Teixeira (Igreja Católica Apostólica Romana)

2º secretário: Pr.ª Mara Parlow (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil)

1º tesoureiro: Alex Sandro de Oliveira Sodré (Igreja Episcopal Anglicana do Brasil)

2º tesoureiro: Rev. Pr. Jorge Eduardo Diniz (Igreja Presbiteriana Unida)

Conselho Fiscal:

Titulares:

Rev. Robert Delano de Souza (Igreja Episcopal Anglicana do Brasil)

Pr.ª Aneli Schwarz (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil)

Rev. Antônio Marcos de Souza (Igreja Presbiteriana Unida)

Suplentes:

Edward Neves Monteiro de Barros Guimarães (Igreja Católica Apostólica Romana)

Rev. Daflas Alexandre da Cruz (Igreja Presbiteriana Unida)

Maria de Fátima Cerqueira (Igreja Católica Apostólica Romana)

A Igreja particular de Mariana ordena 14 novos Diáconos Permanentes

Confirmando a diaconia na Igreja como verdadeira expressão da Sacramentalidade do serviço.

No último dia primeiro de novembro, do ano corrente, a Igreja particular de Mariana, sob o pastoreio de Dom Airton, celebrando todos os santos, realizou na Basílica do Sagrado Coração de Jesus, em Conselheiro Lafaiete, a celebração eucarística na qual foram ordenados 14 novos diáconos permanentes para servir a esta parte da Igreja situada na Primaz de Minas. Depois de um longo processo de preparação na Escola Diaconal São Lourenço, homens casados (exceto um deles que prestou o juramento celibatário para dedicar-se mais completamente ao serviço ministerial) assumiram o compromisso de expressar pela radicalidade do serviço o amor que tem a Deus e à causa do seu Reino.

Revigorada pelos ares conciliares, a Igreja redescobriu o valor ministerial da diaconia como expressão, por excelência, de uma Igreja toda ela ministerial. Constituída por homens e mulheres de todas as raças e línguas, batizados no nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, a Igreja assumia o serviço como autêntica expressão de amor e instrumento privilegiado para a construção do Reino de Deus. Recuperava, assim, antiquíssima prática que encontrava em Jesus o seu fundamento. Ele próprio nos indicou explicitamente sua condição pelo ato mesmo de servir: “Eu vim para servir, não para ser servido!!” (Mateus 20, 28). A atitude serviçal, pois, não é uma atitude subjetiva de cada cristão, um mero ato da vontade, como se estivesse em questão servir ou não servir. Trata-se de um imperativo cristão; de um proceder em relação aos outros, sobretudo aos mais pobres e necessitados, os excluídos da sociedade, que constitui um dos bens espirituais mais sagrados que Cristo nos confiou: servir como expressão de amor!

Na icônica cena de lava pés (João 13, 1-17) Jesus, depois de tirar o manto, atou uma toalha à cintura (à modo de um avental pois depois deu-se a si mesmo como alimento as seus) lavou os pés de seus discípulos e depois de colocar o manto proclamou: “Vocês me chamam de Mestre e Senhor, e dizem bem, pois EU SOU! Portanto, se eu assim o fiz, façam vocês também o mesmo. Dei-vos um exemplo a fim de que, assim como eu faço, vocês também o façam”!  Detalhe: o relato do Evangelho não diz que o Senhor retirou da cintura sua toalha, seu avental. Há nesta não referência uma evangélica intencionalidade: neste instante, em nome do EU SOU, Jesus “sacramentalizou” o serviço como o sinal permanente da doação de si à edificação do seu Reino de justiça, paz e amor. E assinou posteriormente este testamento, não com as letras da Lei, mas com seu sangue na cruz, na entrega total da vida doada como máxima expressão de quem ama e é fiel ao Pai, amando e sendo fiel aos pobres e marginalizados. Dessa forma, todo cristão que, não renunciando a cruz, perfaz o caminho do discipulado pelo serviço, é sinal visível da promessa feita por Cristo de estar conosco todos os dias até o final dos tempos. Pelo serviço, tornamo-nos alimento de esperança a quem tem fome do Reino de Deus.

Parabéns aos novos diáconos da Igreja Particular de Mariana e a todos os diáconos ordenados no Brasil afora pela Igreja Católica. São Lourenço os ensine sempre amar a Jesus com todo ardor e a entregar sua vida e ministério a serviço do Reino. Maria Santíssima, a mãe do serviço, apresente sempre a seu filho Jesus suas intenções e as intenções de vossas famílias, pois como bem sabemos, é a família, para o Diácono Permanente casado, o primeiro campo de sua missão. 

Diácono Robson Adriano

Presidente da Comissão Arquidiocesana dos Diáconos.

Arquidiocese de Montes Claros realiza retiro de Formação para Diáconos Permanentes

Com o tema “O Diácono como Servidor nas e das Comunidades Eclesiais Missionárias” aconteceu no dia 10 de outubro de 2020, na Comunidade Esdras, um dia de formação e espiritualidade para os diáconos permanentes da Arquidiocese de Montes Claros. Participaram deste encontro dezoito diáconos permanentes, outros 16 já haviam feito o retiro no dia 26 de setembro conduzido pelo padre Gledson Eduardo de Miranda Assis.

            O retiro, que seguiu todos os protocolos de prevenção ao Covid-19, foi conduzido por Dom João Justino de Medeiros Silva, Arcebispo Metropolitano de Montes Claros, que trabalhou na perspectiva da oração, meditação e celebração, no horizonte daquilo que é recomendado pelo papa Francisco e à luz das orientações da Assembleia Arquidiocesana de Pastoral.

            Nesse dia, aprofundou-se a temática do anúncio da palavra, ou seja, o diácono como servidor da Palavra e também  o diaconato como Serviço aos Pobres e o Diácono como Guardião do Serviço.

A formação teve seu referencial nos textos do magistério do Papa Francisco sobre o diaconato; o que oportunizou ao arcebispo metropolitano, junto aos diáconos,  vivenciar a partilha e escuta, levando os temas abordados à vivência da igreja particular de Montes Claros.

Para o diácono João Batista, participante da formação, o retiro foi muito  proveitoso: “Como foi bom esse Retiro com a orientação do nosso Pastor, ouvindo sua voz (ESCUTA), ajuntando com ele, observando os caminhos apontados, examinando e comungando com ele as preocupações com o Redil e com as outras ovelhas desgarradas, esquecidas, desprotegidas, desfiguradas, feridas, machucadas, com sede e com fome!”

Dom João Justino ressaltou a importância deste encontro “testemunho que foi um dia muito fecundo, sobretudo porque os diáconos levaram muito a sério as propostas… A partilha possibilita tocar de forma muito experiencial a vida e a história de cada um dos diáconos permanentes” e se mostrou satisfeito com o formato do retiro: “Acredito que esta modalidade de encontro abre as perspectivas para outros encontros neste mesmo formato.”

A formação foi encerrada com a Santa Missa seguida de um jantar servido aos participantes.

Retiro Espiritual Diáconos Permanentes da Arquidiocese Montes Claros

Aconteceu no último sábado (dia 26 de setembro), nas dependências da Comunidade Esdras, em Montes Claros/MG, o retiro espiritual com um grupo dos diáconos permanentes da Arquidiocese. Neste ano, em razão da pandemia, os diáconos fizeram o retiro sem a participação de suas respectivas esposas, em foram divididos em 2 grupos. O segundo grupo fará o retiro no dia 10 de outubro.

Desta vez um total de 16 diáconos participaram do retiro, que teve a orientação do Pe. Gledson Eduardo de Miranda Assis, Pároco da Paróquia Mãe Rainha e formador no Seminário Maior. O retiro versou sobre a temática “O diácono como servidor nas e das comunidades eclesiais missionárias” e fundamentou-se sobre 3 pilares fundamentais: a Palavra, os pobres e o serviço. As reflexões e partilhas deixaram-se iluminar pela obra do diácono italiano Enzo Petrolino sobre o diaconato no pensamento do Papa Francisco, publicado pelas Edições CNBB.
Na parte da manhã, após o café, houve uma leitura orante de At 8,26-40, com a qual refletiu-se sobre o aspecto da Palavra, podendo ainda pensar na Diaconia da pregação e a prioridade do Evangelho, recordando a ordenação diaconal. Em todos os momentos houve momentos para a partilha da oração. Ainda refletiu-se sobre e questão da pessoa do pobre e sua pertinência com o ministério da Palavra.
Na parte da tarde continuou-se refletindo sobre as interpelações que a realidade do pobre traz ao ministério diaconal. A seguir, passou-se a meditar sobre o serviço diaconal, entendendo como o ministério diaconal fez de cada uma mais servidor na vida de sua comunidade. O retiro encerrou-se com a Celebração da Santa Missa e um jantar de confraternização.

Tevê estreia quadro sobre missão dos diáconos

Estreia do quadro semanal “Diaconia” foi nesta segunda-feira, pela TV Horizonte.

A atuação dos diáconos na Pastoral Carcerária foi o tema da estreia do quadro “Diaconia”.

Na segunda-feira, 10 de agosto, Festa de São Lourenço, a TV Horizonte estreou o quadro Diaconia, dentro do programa Manhã da Piedade. Toda semana, a emissora, administrada pela Arquidiocese de Belo Horizonte, vai apresentar um pouco da missão ligada à família diaconal. A produção fica a cargo dos próprios diáconos, candidatos, esposas e formadores.

Antes da estreia, o diácono Márcio Honório, explicou à apresentadora Síria Caixeta sobre o ministério diaconal na Igreja e na arquidiocese. Ele também dirigiu uma mensagem pelo Dia de São Lourenço. Em seguida, foi apresentado o trabalho da Pastoral Carcerária, que envolve 149 agentes, entre eles alguns diáconos.

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, há 23 centros de detenção, com uma população carcerária de 16.483 pessoas, segundo dados da Pastoral. O diácono Gleivison Felipe conta que o trabalho já existe há 40 anos. A equipe atende os presos e famílias, os agentes carcerários e também as vítimas dos crimes.

O quadro Diaconia irá ao ar todas as segundas-feiras. O programa começa às 10h pela TV Horizonte, que pode ser acessada pelo canal 30 HDTV (em Belo Horizonte), pelo Youtube (https://www.youtube.com/tvhorizonte) ou pelo site (www.tvhorizonte.com.br).

Assista à entrevista do diác. Márcio Honório e à estreia do quadro Diaconia.

Diretoria

Encontro Diretores e Formadores Escolas Diaconais Leste 2

Diretores, coordenadores e formadores das escolas Diaconais das (Arqui)Dioceses de Minas Gerais e Espírito Santo reuniram-se por videoconferência no dia 29 de julho de 2020. É o segundo encontro por videoconferência com objetivo de promover a troca de experiências e colegialidade entre os diretores e formadores de Escolas Diaconais das dioceses do Regional Leste 2 da CNBB.

A reunião contou com a participação do presidente da Comissão Regional dos Diáconos (CRD), Diác. Márcio Honório, e da Comissão Nacional dos Diáconos: Diác. Francisco Salvador Pontes Filho, presidente da CND; Diác. Vinícius Antônio Melo Sousa e do Diác. José Gomes Batista membros da ENAP (Equipe Nacional de Assessoria Pedagógica).

Participaram da reunião partilhando a experiência de suas respectivas dioceses os bispos:

Dom José Aristeu Vieira, bispo referencial da Comissão para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada da CNBB Leste 2 e bispo da Diocese de Luz (MG);

Dom Paulo Mendes Peixoto, arcebispo da Arquidiocese de Uberaba (MG);

Dom José Luiz Majella Delgado, bispo referencial da Comissão Litúrgica da CNBB Leste 2 e arcebispo da Arquidiocese de Pouso Alegre (MG);

Dom Pedro Cunha Cruz, bispo da Diocese de Campanha (MG);

Dom Emanuel Messias de Oliveira, bispo da Diocese de Caratinga (MG);

No encontro virtual, as (Arqui)Dioceses foram representadas por diretores, coordenadores e formadores de: Belo Horizonte(MG), Cachoeiro de Itapemerim (ES), Campanha (MG), Caratinga(MG), Diamantina (MG), Governador Valadares (MG), Itabira e Coronel Fabriciano(MG), Janaúba (MG), Januária(MG), Juiz de Fora (MG), Luz (MG), Montes Claros(MG), Oliveira (MG), Pouso Alegre(MG), Teófilo Otoni (MG), Uberaba(MG), e Uberlândia(MG). 

Diretoria

União dos Juristas Diáconos e Esposas realiza conferência neste sábado

Justitia, Goddess, Goddess Of Justice, Goddess Of Truth

Neste sábado, 27 de junho, das 16h às 18h (horário de Brasília), a União dos Juristas Diáconos e Esposas do Brasil realiza um encontro por videoconferência. O objetivo é definir estratégias e alinhar posições comuns, em unidade com a CND (Comissão Nacional dos Diáconos) e a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Estarão presentes o frei Evaldo Xavier Gomes, assessor jurídico-canônico da CNBB; o presidente da CND, o diácono Francisco Salvador Pontes Filho (Chiquinho); e os assessores jurídicos da CND: diác. Márcio Honório de Oliveira e Silva, diác. Márcio Damião de Almeida e diác. Iran Alves Soares.

A reunião será restrita aos bacharéis ou bacharelas em Direito (desembargadores, juízes, promotores, delegados, procuradores, advogados) e que são membros do corpo diaconal.

O link para acesso à videoconferência é http://meet.google.com/zvp-etgf-oyp

Outras informações com o diácono Márcio Honório: marcio@marciohonorio.com.br ou (31) 98803-2113.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Papa Francisco acrescenta três invocações à Ladainha de Nossa Senhora

No sábado, 20 de junho, memória litúrgica do Imaculado Coração de Maria, a Santa Sé publicou a inclusão de três súplicas à Ladainha de Nossa Senhora. A decisão do Papa Francisco foi comunicada pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, numa carta endereçada aos presidentes das conferências episcopais de todo o mundo. A mensagem é assinada pelo cardeal Robert Sarah e o arcebispo Arthur Roche, respectivamente prefeito e secretário do dicastério vaticano.

“Mater Misericordiae” (Mãe da Misericórdia), “Mater Spei” (Mãe da Esperança) e “Solacium migrantium” (Conforto ou Ajuda dos Migrantes) são as novas invocações. A primeira será inserida depois de “Mater Ecclesiae” (Mãe da Igreja); a segunda, depois de “Mater divinae gratiae” (Mãe da divina graça); e a terceira, depois de “Refugium peccatorum” (Refúgio dos pecadores).

Geralmente a ladainha é recitada ao fim da oração do terço ou em celebrações dedicadas à Virgem Maria. Apesar de ser antiga, tornou-se conhecida pela difusão promovida pelo Santuário da Santa Casa de Loreto, Itália. Por isso a oração é também chamada de Ladainha Lauretana. O conjunto de invocações dirigidas à Mãe de Jesus foi recitado solenemente, pela primeira vez, em 1531. Há, contudo, registros dessa prece já no século XIII. Em 1601, o Papa Clemente VIII aprovou oficialmente a ladainha.

O Papa Francisco não é o primeiro pontífice a inserir invocações à ladainha. As súplicas têm um pé na realidade, por isso vários papas decidiram incluir versos, conforme os desafios de cada tempo. “Rainha concebida sem pecado original”, em 1854; “Mãe do bom conselho”, em 1903; “Rainha da paz”, em 1917; “Rainha assunta ao céu”, em 1950; “Mãe da Igreja”, em 1964. Em 1995, o Papa São João Paulo II acrescentou “Mãe da família”.

“O terço, como sabemos, é uma oração dotada de grande poder, portanto, neste momento, as invocações à Virgem são muito importantes para quem está sofrendo com a pandemia do covid-19, entre eles os migrantes que deixaram sua terra”, afirma Dom Arthur Roche.

Após a modificação determinada pelo Papa Francisco, a ladainha passa de 51 para 54 invocações à Mãe de Jesus. Confira, a seguir, o texto atualizado a seguir.

Ladainha de Nossa Senhora

(texto atualizado depois dos acréscimos do Papa Francisco)

Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, ouvi-nos.

Cristo, atendei-nos.

Deus Pai do céu, tende piedade de nós.

Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.

Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.

Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Santa Maria, rogai por nós.

Santa Mãe de Deus,

Santa Virgem das virgens,

Mãe de Cristo,

Mãe da Igreja,

Mãe de misericórdia,

Mãe da divina graça,

Mãe da esperança,

Mãe puríssima,

Mãe castíssima,

Mãe sempre virgem,

Mãe imaculada,

Mãe digna de amor,

Mãe admirável,

Mãe do bom conselho,

Mãe do Criador,

Mãe do Salvador,

Virgem prudentíssima,

Virgem venerável,

Virgem louvável,

Virgem poderosa,

Virgem clemente,

Virgem fiel,

Espelho de perfeição,

Sede da Sabedoria,

Fonte de nossa alegria,

Vaso espiritual,

Tabernáculo da eterna glória,

Moradia consagrada a Deus,

Rosa mística,

Torre de Davi,

Torre de marfim,

Casa de ouro,

Arca da aliança,

Porta do céu,

Estrela da manhã,

Saúde dos enfermos,

Refúgio dos pecadores,

Conforto dos migrantes,

Consoladora dos aflitos,

Auxílio dos cristãos,

Rainha dos Anjos,

Rainha dos Patriarcas,

Rainha dos Profetas,

Rainha dos Apóstolos,

Rainha dos Mártires,

Rainha dos confessores da fé,

Rainha das Virgens,

Rainha de todos os santos,

Rainha concebida sem pecado original,

Rainha assunta ao céu,

Rainha do santo Rosário,

Rainha da família,

Rainha da paz.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

Rogai por nós, santa Mãe de Deus.

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

(Diácono Alessandro Faleiro Marques, com informações de Vatican News).

CND lança nova identidade diaconal

Com um visual inovador, o documento traz item que certifica a identificação do diácono.

A nova identidade dos diáconos, emitida pela Comissão Nacional dos Diáconos (CND), foi reformulada. O documento agora é impresso em cartão PVC, no mesmo formato de um cartão de crédito. Além disso, há novos itens de segurança, entre eles um QR code, com o qual é possível confirmar a autenticidade do documento, proporcionando mais confiabilidade.

Nova identificação diaconal terá itens de segurança.

Segundo o diácono Francisco Salvador Pontes Filho, presidente da CND, a nova identidade é o fruto do trabalho de muitos que se esforçaram para proporcionar um acessório de qualidade, inovador, moderno, com os devidos cuidados quanto à segurança, e útil no exercício do ministério diaconal.

É importante que os diáconos se filiem à CND. Quem já é cadastrado na comissão deve solicitar a nova identidade. Como ocorria no antigo formato, o documento é enviado diretamente à cúria (arqui)diocesana e, somente depois, entregue ao diácono.

O procedimento de cadastro é simples. Acesse o endereço e saiba como: http://cnd.org.br/publicacao/nova-identidade-diaconal/716

Por Alberto Carvalho (Arquidiocese de Belo Horizonte)